domingo, 26 de setembro de 2010

Dr. Rui Moreira, Presidente da Associação Comercial do Porto, põe os pontos nos "is"

Programa da SIC (Expresso da meia-noite) emitido em 20/06/2009. O Dr. Rui Moreira, Presidente da Associação Comercial do Porto, põe os pontos nos "is" quanto às incompreensíveis falhas do projecto da Ferrovia chamada de "Alta Velocidade" (pior ainda, chamada de TGV, na eterna confusão entre infra-estrutura (linhas férreas) e material circulante (comboios)). Cada um que pense por si...









sexta-feira, 14 de maio de 2010

3 cartas: ao Primeiro-Ministro, aos Deputados, ao Presidente da República

Os portos de Sines e Setúbal serão ligados por bitola europeia à linha, também de bitola europeia, Poceirão-Caia/Badajoz! A ligação Sines-Espanha por bitola ibéria nunca vai ser feita. Escrevam isso em letras grandes!

(Este texto foi por mim pela primeira vez tornado público aqui:
http://blasfemias.net/2010/05/08/sera/)

Segue então o texto:

Enviei esta primeira mensagem dia 6 a vários deputados pedindo confidencialidade. No dia anterior às 10 da manhã tinha enviado esta carta ao Primeiro-Ministro. Vou agora divulgá-la, perante a boa notícia em curso… [referia-me à decisão de adiar certas obras públicas, mas avançar com a necessária linha de bitola europeia Poceirão-Caia]

—– Original Message —–
From: Gabriel Orfao Goncalves
To: (Lista de Deputados)
Sent: Thursday, May 06, 2010 10:59 AM
Subject: Carta ao Primeiro-Ministro. Não reenviar por enquanto

Srs. Deputados, envio, sob requisito de confidencialidade, a carta que ontem enviei ao Sr. PM. Desde que não divulguem o texto da carta, poderão aproveitar os argumentos que nela vos aprouver. (A carta segue no final do mail.)

Continuo a recomendar o visionamento destes excelentes documentários:

TGV (Radar de Negócios RTPN – brilhante! Nem a BBC faz documentários com esta qualidade. É ver para acreditar. A mais completa informação sobre o falso problema do TGV: o importantes são as linhas de bitola europeia.)
http://www.youtube.com/watch?v=tIkr5KuP7qU&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=b8JhOemQ9xw&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=ySE4VJL-Wj4&feature=related

Recentemente Manuel Moura falou numa Comissão Parlamentar, numa declaração demolidora para o Executivo: (há poucos dias)
http://www.tvi24.iol.pt/artmedia.html?id=1158628&tipo=2#

Aqui, outra reportagem notabilíssima da TVI, seguida de debate entre o economista Manuel Moura, ex-presidente da RAVE ao tempo de Guterres, e o actual presidente da mesma RAVE: (teve lugar em Dezembro passado)
http://www.tvi24.iol.pt/galeria_nova.html?mul_id=13197859
(Um dos melhores combates de boxe que já vi em televisão!)
É fácil ver quem tem razão…

Aqui, uma reportagem da TVI (com o Prof. Brotas) sobre a possibilidade de o Pinhal Novo ser provisoriamente a estação terminal da linha de bitola europeia vinda de Madrid-Badajoz: (a reportagem tem 2 ou 3 dias). Ideia inicialmente ridicularizada por muito, está a ganhar adeptos entre os técnicos, dado o grande imbróglio que será a terceira travessia do Tejo.
http://www.tvi24.iol.pt/galeria_nova.html?mul_id=13254437

É preciso impedir a todo o custo que se faça um linha em bitola ibérica a partir de Sines, como quer o Executivo!!! Então é que nunca mais Sines ficará ligado por bitola europeia à Europa. Isto só prova a maior característica de Sócrates: uma profundíssima falta de capacidade de diálogo desenvolvida anos a fio que alcançou o virtuosismo (passe a paradoxalidade do termo) hoje nele patente. [Afinal reconheço hoje, sexta à noite, que Sócrates demora mas acerta! Só falta contabilizar as horas extraordinárias de todos quantos o têm ajudado a pensar! Ufa!]

Peço ainda que façam reparar aos membros do Executivo, sempre que estes empregarem o termo “TGV” (que é material circulante), que não é isso que está sobre a mesa da discussão (nos acordos ibéricos nunca aparece a palavra TGV, mas sim linhas de bitola europeia, por um lado, e os tempos que se pretende atingir nas ligações, por outro; tempos esses que estarão sempre sujeitos a renegociação: bastará a Espanha dizer (como já deu sinais de que o fará!) que, por motivos económicos, pretende baixar a velocidade de exploração ferroviária, para Portugal se pôr, permitam-me a expressão, “de cócoras”!!!), mas sim a construção de linhas em bitola europeia (= internacional, = UIC) que permitam de uma vez por todas a ligação de Portugal à Europa além-Pirenéus – linhas essas que são a infra-estrutura ferroviária, não o comboio! Qualquer comboio anda naquelas ferrovias, desde que tenha a distância europeia entre os carris. (Quase 100% dos que circulam na Europa!)

Pedia ainda que atacassem ferozmente (desculpem a veemência dos meus pedidos) as afirmações dos agentes da RAVE, profundamente falsas, de que a Espanha está apenas lentamente a mudar a bitola, da ibérica para a europeia. Isso é falso. Espanha está a fazê-lo a grande velocidade, e quando isso acontecer (sobretudo quando as ligações Irun/Hendaye-Dax-Bordéus, no extremo oeste do istmo peninsular ibérico, e Barcelona-Figueras-Perpignan-Montpellier, no extremo oposto (leste) estiverem prontas (Ver Google Earth)), muitas empresas preferirão estabelecer-se em Espanha e não em Portugal, dada a facilidade de exportação e de importação de produtos.

O meu muito obrigado pela atenção dispensada.

Com os meus melhores cumprimentos,

Gabriel Órfão Gonçalves
jurista

——————————————————————————–

Agora, a mensagem enviada ao Sr. Primeiro-Ministro

Exmo. Sr. Primeiro Ministro,

nos últimos 3 anos da minha vida dediquei cerca de 2 horas por dia a estudar as questões do Novo Aeroporto e do impropriamente chamado TGV. Orgulho-me de estudar os documentos de uma ponta à outra e de os reler várias vezes. Estou ligado a um grupo informal de pessoas que têm lutado nestas questões (não estou relacionado com a CIP; conheço fortuitamente alguns membros que estiveram envolvidos nessa questão, nada mais. Troco mails com variadíssimas pessoas, desde ex-Ministros das Finanças a motoristas de táxi, mas sobretudo com Professores do IST. No entanto, o que aqui escrevo é da minha exclusiva autoria.)

Escrevo-lhe para lhe dar um conselho que acho que poderá ser um conselho triunfal. Um conselho que, mais tarde – encontrar-nos-emos algum dia, estou certo – dir-me-á que teve valor.

Sr. Primeiro Ministro, se quer ganhar a batalha do “TGV”, abandone a expressão TGV. Os portugueses já adquiriram um ódio visceral a essa expressão. Leia os comentários às notícias que falam sobre o assunto e verá. (O google tem a função de receber um aviso de notícias sempre que estas abordem a palavra TGV. Recebo cerca de 20-30 por dia). Mas, como estava a dizer, TGV, para os portugueses, significa despesismo, elefante branco, amiguismo, compadrio, apertar o cinto, corrupção, favores aos do costume, etc..

Não posso ser mais sintético sobre esta questão do que transcrevendo-lhe uma frase que afixo agora em todas as notícias sobre o TGV. Reza assim:

«Título: Resmas, paletes, de mercadorias!
Texto: Por que razão os políticos e a comunicação social chamam TGV a uma linha férrea? Como é que se confunde o meio de transporte chamado “TGV” com a infra-estrutura onde esse TGV (e outros comboios, desde que de bitola europeia!) circulam? Alguém fala em “Ferrari” quando se discute a construção de uma auto-estrada? Alguém chama “Boeing” a um aeroporto? Alguém chama “belo traseiro” à cadeira onde a dona do traseiro o senta? A conversa de malucos instituída pelos políticos e pela comunicação social vai continuar, ou isto é apenas o novo acordo ortográfico na sua pior expressão? É que se o investimento em TGVs (comboios) é uma insensatez, a construção de linhas de bitola europeia é absolutamente necessária! Ou vamos continuar a importar paletes de chocolate suíço e exportar resmas de papel e tudo o que é mercadoria por camião TIR? Alguém explica isto ao Sr. Presidente da República, ao Sr. José Sócrates, e ao Sr. António Mendonça? (p.s.: sou contra o TGV mas a favor da construção das linhas férreas em bitola europeia para transporte misto, isto é, de mercadorias e passageiros, a começar pela linha de Sines-Poceirão-Caia.)»

Excelência: evite ao máximo o termo TGV. O que os portugueses querem é uma ferrovia europeizada, sem custos megalómanos (quando o Sr. fala em TGV, activa nos portugueses, inconscientemente, a fobia aos elefantes brancos), em bitola europeia, que nos ligue directamente, sem transbordos caros e demorados, à Europa além-Pirenéus. Para dizer isto não só não é preciso falar em TGV como é até contra-producente fazê-lo.

Instrua, peço-lhe, o Sr. Ministro das Obras Públicas e restantes membros do Governo a fazer o mesmo. Seria bom que V. Exa. e o Sr. Ministro António Mendonça dissessem, nas várias intervenções que fazem amiúde à comunicação social, qualquer coisa como: “Bem, nós quando falamos em TGV, é preciso desde já esclarecer que é uma maneira, talvez não devidamente ilustrativa, admito, de falarmos das linhas férreas de bitola europeia que permitirão exportar e importar mercadorias a um custo muito mais diminuto que o transporte habitual – que como todos vós saberão é o camião, o camião TIR – e que permita, claro, igualmente, o transporte de passageiros num tempo e a um preço concorrencial”. É preciso subtileza para bem comunicar.

Sr. Primeiro Ministro, muito gostaria que esta minha ideia o ajudasse a explicar ao País o que quer para todos nós.

Com os meus melhores cumprimentos,

GOG


----------------------------------------------
(A carta seguinte, ao invés, só tinha sido dada a conhecer a alguns Engs., Profs. do IST, Ex-Ministros das Finanças e Profs. de Financas e Economia, a Comdts. da Marinha Mercante, e a mais alguns valentes portugueses que arrasaram com a Ota e vão arrasar com a descomunal burrice de construir uma ligação entres Sines e Espanha em linha de bitola ibérica!)

Agora, a carta enviada ao Senhor Presidente da República:

Excelentíssimo Senhor Presidente da República
Professor Doutor Aníbal Cavaco Silva

Permita-me que dê a conhecer a V. Exa. um texto sintético que elaborei para ser lido, no dia 3 do corrente, aos microfones da Rádio TSF, sobre a actual problemática das Vias Férreas em Bitola Europeia (incorrecta, escandalosa, e irresponsavelmente chamadas de "TGV") e sobre a questão do Novo Aeroporto.

O texto é muito sucinto, e o tom, compreenda V. Exa., é o de um texto não erudito, não académico, mas para ser lido num curto espaço de tempo e procurando maximizar a relação simplicidade/rigor dos factos/veemência das opiniões emitidas, tendo por objectivo alertar a audiência para certas falácias geradas em torno destas questões.

Segue o referido texto:

«Bom dia à TSF e aos seus radio-ouvintes.

O meu nome é Gabriel Órfão Gonçalves e sou jurista e professor no ensino particular.

Venho falar do “TGV” e do "Novo Aeroporto".

Ora bem, em primeiro lugar, nós temos, de um vez por todas, de deixar de falar em TGV. TGV quer dizer “Train à Grande Vitesse”. TGV refere-se portanto ao comboio. Todavia, nesta altura, não deveríamos estar a falar do material circulante, isto é, do comboio, mas sim da infra-estrutura ferroviária: das linhas férreas, das suas especificações.

Ora o grande problema de Portugal, a nível dessas infra-estruturas, é ter uma bitola – que é a distância entre carris – que é diferente da bitola dos caminhos-de-ferro da Europa além-Pirinéus. Não é possível que um comboio português siga directamente de Portugal para a Europa além-Pirinéus. Não é possível, ponto final. Isto faz com que toda a importação e exportação feita com a Europa além-Pirinéus seja feita por camião TIR, que fica muito mais caro do que o comboio. Tenho à minha frente um documento do MOP que diz que em 2008 nós importámos 0 toneladas da Europa por comboio e exportámos 8 toneladas (recorrendo ao transbordo de contentores que se efectua em Irún, Espanha). Isto é uma vergonha.

Se Portugal não mudar a sua bitola, da ibérica para a europeia, ficará completamente isolado, ferroviariamente, da Europa. E ficará porque a Espanha está a avançar a todo o vapor para as ligações por bitola europeia com França, concretamente nas linhas Irun/Hendaye-Dax-Bordéus, no extremo oeste do istmo peninsular ibérico, e Barcelona-Figueras-Perpignan-Montpellier, no extremo oposto (leste).

Nessa altura, como é que fica Portugal em relação com a Europa? Fica isolado.

Ora bem, as pessoas dirão então que o TGV é fundamental, para fazer esta ligação. Não é. Falar de TGV em vez de falar de linhas férreas é como falar de Ferraris em vez de falar de estradas. Isto é um discurso de malucos. E a comunicação social tem culpa ao falar constantemente em TGV, quando devia falar em caminhos-de-ferro. O TGV não é caminho-de-ferro, é um comboio! E nós nem deveríamos importar comboios. Devemos ser nós a fazê-los com o mínimo recurso possível a know-how estrangeiro. Mas devem ser feitos cá dentro, com trabalhadores portugueses. Eu ainda não ouvi uma única palavra dos nossos deputados sobre a necessidade de reabrir a SOREFAME, uma empresa ferroviária e metalúrgica que em 1975 ganhou um concurso internacional para construir 200 carruagens para o metro de Chicago! (Cf. na Wikipedia.)

Ora bem, as pessoas do povo que defendem o TGV fazem-no de boa fé, mas é tempo de perceberem que primeiro tem de se pensar nas linhas. Obviamente, e para descansar os ouvintes, quero dizer que, actualmente, ninguém pensa construir linhas em bitola europeia que não venham a servir os comboios mais rápidos do mundo. Portanto, as linhas servirão sempre para os futuros comboios. Mas que comboios lá vamos pôr, isso é depois as operadoras que decidem. Até podemos ter apenas comboios espanhóis a circular na linha. É um cenário perfeitamente possível, se Portugal não tiver dinheiro para comprar comboios!

Portugal tem uma faixa atlântica com portos de excepcional potencialidade, com destaque para o porto de Sines, portos esses que permitem receber e enviar mercadorias. Ora isto só se faz ligando os portos à rede europeia. E isto não está nos planos da RAVE. Quereis que explique?

A RAVE planeia fazer uma linha em bitola ibérica – não europeia, note-se – para levar as mercadorias de Sines para Espanha. Mas de que é que isso nos serve? Sabeis o que isto é? É um favor à empresa Takargo, do grupo mota-engil, que não teve a inteligência para planear antecipadamente a compra de comboios em bitola europeia e que insiste em dizer, ignorantemente, e porventura de má fé, que a Espanha ainda levará muito tempo a mudar a sua bitola.

Já a linha europeia Poceirão-Badajoz, felizmente projectada em bitola europeia, está preparada para transportar mercadorias, mas ninguém se lembrou de a ligar aos portos de Sines e Setúbal! Como foi isto ignorado, quando a ideia sempre foi ligar os nossos portos à Europa por ferrovia?

É ainda preciso dizer que os únicos países que têm “TVG” e comboios análogos são os países que os constroem. Já repararam nisto? Nós temos de começar do princípio. O nosso comboio mais rápido, o Alfa, que faz Lisboa-Porto em 2h e 35, fá-lo a uma velocidade média de cerca de 120 Km/h! Alguém acredita que podemos dar o salto tecnológico para duas vezes e meia tal velocidade, num país sem metalurgia, sem metalo-mecânica?

E os partidos não percebem nada disto. É lamentável mas é a verdade. Nem sabem falar português: estão sempre a falar do “TGV”: uns são a favor, outros contra. Deveríamos ser contra a importação de material circulante estrangeiro, deveríamos ser a favor da construção de linhas de bitola europeia, e deveríamos ser imediatamente a favor do ressurgimento da SOREFAME, uma das melhores empresas que Portugal teve. Srs. Deputados, façam o trabalho de casa!

Muitos falam em ligar Portugal à Europa por TGV. Mas, alguém conhece um londrino que vá de Londres a Frankfurt de “TGV”??? Ou que na Europa alguém faça percurso de extensão semelhante em comboio de velocidade e conforto semelhante??? O mais importante são as mercadorias. E essas não andam de TGV! Andam em comboios a 80-160 Km/h! E são essas que precisam de correr grandes distâncias na Europa.

Em relação ao Aeroporto, a Portela não está esgotada. Eu faço apenas esta pergunta: se hoje fosse aberto à operação aérea comercial um aeroporto na região de Lisboa, complementar à Portela, quantos aviões é que os senhores deputados pensam que iriam lá aterrar por dia? Com sorte uns 5! O primeiro sinal de que um aeroporto está saturado é o facto de ter slots esgotados e – isto é fundamental! – tê-los esgotados por aviões de grande capacidade. Ora quantos Jumbos (B-747) aterram em Lisboa por semana? Salvo erro 1! Mais de 85 % do tráfego é feito por aviões narrow-body, (um só corredor) que são aviões com capacidade para 150 a 180 passageiros.»

Exmo. Sr. Presidente da República, dois ou três dos economistas com quem se reunirá hoje receberam este meu texto, que aqui sofreu apenas ligeiras alterações em relação ao que lhes foi enviado.

Alguns desses economistas perceberam logo desde o início a vantagem das linhas de bitola europeia. Outros, digo-o com tristeza, opuseram-se desde logo ao projecto por se terem deixado, direi, "enfeitiçar" pela carga negativa (que a tem, é indiscutível) do conceito TGV. Nunca esta sigla tivesse sido pronunciada, e ter-se-ia discutido sempre aquilo que era para discutir: a ligação da nossa ferrovia à Europa além-Pirinéus, o que é de enormíssima importância para baixar o custo a que exportamos e também, claro, o custo a que importamos mercadorias. A permanente invocação irresponsável da sigla TGV paralisou, infelizmente, o raciocínio claro e a discussão desapaixonada que deveria ter tido lugar.

Segundo um estudo (internet: PlanoIntegradodeTransportes) do Especialista em Transportes da Ordem dos Engenheiros, Eng. Luís Cabral da Silva, a energia necessária para fazer andar um comboio a 350 Km/h é praticamente o dobro da necessária para que circule a 250 Km/h. Como acreditar então que o TGV possa concorrer, em termos de preço, com outros meios de transporte? Por isso nunca acreditei na rentabilidade de linhas só para a exploração de comboios de passageiros. Felizmente a linha foi preparada para transportar mercadorias, que, como é normal, circulam mais à noite que de dia, para não perturbar os comboios rápidos de passageiros (mas que, insisto, não precisam de ser de velocidades da ordem dos 300/350Km/h). Há no entanto um problema, que já referi há pouco: a linha termina no Poceirão. É imperioso construir então linhas também de bitola europeia de Sines, de Setúbal, da AutoEuropa, que se liguem directamente ao fim desta linha Caia-Poceirão. Sem essa enormíssima mais-valia a exploração da linha está condenada ao fracasso, e a prejudicar, em vez de melhorar – e muitíssimo podia e poderá melhorar! – a economia pátria. Estas linhas devem ser feitas com o dinheiro que se poupará ao não construir a totalmente inútil linha em bitola ibérica projectada pela RAVE para ligar Sines a Espanha, projecto este verdadeiramente misterioso!

Tomo a liberdade de enviar endereços de sites da Internet onde poderá rever os documentos audiovisuais a meu ver mais importantes produzidos por várias estações de televisão sobre os grandes erros deste projecto. Considero que todos eles têm uma elevadíssima qualidade:

Declarações importantíssimas do primeiro presidente da RAVE sobre os erros do TGV:
http://www.tvi24.iol.pt/artmedia.html?id=1158628&tipo=2
http://www.tvi24.iol.pt/galeria_nova.html?mul_id=13197859

Reportagem-documentário de excelente qualidade da RTPN. O nível de rigor é insuperável, e a completude da informação digna dos mais rasgados elogios:
http://www.youtube.com/watch?v=tIkr5KuP7qU&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=b8JhOemQ9xw&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=ySE4VJL-Wj4&feature=related

Sobre a desnecessidade, para já, da terceira travessia sobre o Tejo, com declarações do Prof. António Brotas:
http://www.tvi24.iol.pt/galeria_nova.html?mul_id=13254437
Declarações do Especialista (O. Eng.) Luís Cabral da Silva sobre a rentabilidade do modelo da RAVE e sobre a falta de projectos para ligar Poceirão aos portos de Sines e Setúbal
http://www.tvi24.iol.pt/galeria_nova.html?mul_id=13256361

Para terminar esta já longa missiva a Vossa Excelência, quero dizer que a linha cujo contrato de construção foi no Sábado passado aprovado deve ser olhada como aquilo que é, e não como nos quiseram fazer crer que seria: trata-se de uma linha de bitola europeia que permitirá a exportação e importação de mercadorias para e de toda a Europa, e que servirá também para o transporte de passageiros a uma velocidade elevada, mas não tão elevada que encareça o preço e desencoraje a procura. A sigla TGV, quero frisar, não aparece escrita uma única vez nos acordos ibéricos sobre a questão! E é minha convicção que nunca naquela linha circulará um comboio TGV, pelo facto de a sua extrema velocidade implicar um preço inacessível à procura necessária à sua sustentabilidade, numa economia como a dos países ibéricos. Aposto a minha reputação intelectual nisto. É minha convicção de que, apesar de Portugal e Espanha terem acordado o tempo de ligação entre as suas capitais em 2h e 45 min., ambos os Estados soberanos revogarão de mútuo acordo tal cláusula, de modo a ajustá-la ao mercado. Uma velocidade máxima de 250 Km/h parece-me ser perfeitamente adequada, levando a um tempo de viagem de cerca de 3 h e meia, dependendo do número de paragens. Isto seria feito a um preço bastante mais acessível do que as megalómanas 2 h e 45 min. propostas pela RAVE. E é a própria RAVE que, no seu site, revela que o preço da ligação Lisboa-Madrid custará 100 (cem!) euros. (Acabo de confirmar, 10 segundos antes de enviar esta mensagem: site da RAVE; secção perguntas frequentes, questão 23). Uma irresponsabilidade escandalosa! – que portugueses poderão viajar num tal comboio até Madrid?

Envio a Vossa Excelência, o Senhor Presidente da República, os meus respeitosos cumprimentos.

Gabriel Órfão Gonçalves
Jurista, doutorando da Universidade Nova de Lisboa
-----------------------------------------------


Caros compatriotas: fazer a linha em bitola europeia Poceirão-Caia e depois querer fazer outra, que segue em grande parte paralela a esta, só não ficará na História como uma bomba-atomicamente-estúpida idiotice ferroviária por que nós não vamos deixar que isso aconteça.

NÃO VAMOS, NÃO VAMOS, NÃO VAMOS!

PONTO FINAL!

Sines e Setúbal serão ligados ao Poceirão por bitola europeia, sem dementes transbordos entre linhas de bitolas desiguais, e nunca, NUNCA, um contentor será descarregado ou carregado num desses portos para ou a partir de uma linha ibérica, que é uma linha condenada ao desaparecimento e à inutilidade!

Os Bravos do Pelotão que existem neste País comem boys da RAVE e da REFER ao pequeno-almoço (salvo seja...)!

Em breve mais novidades... e muito sentido de humor, prometo-vos. E mais cartas aos Srs. Deputados, PM, e PR.

Viva Portugal!

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Post em avaliação: averiguação da fidedignidade das informações em curso...

[Edit: o conteúdo deste post, afixado hoje com o título: "Entidade Pública tutelada pelo Governo desmente saturação da Portela", está por enquanto a ser averiguado quando à fidedignidade das informações nele contidas. Pessoa da maior confiança informou-me de que este é um site privado que nada tem que ver com a "NAV - empresa pública", não podendo por isso toda a sua informação ser considerada como toda aquela a que a NAV tem acesso. O programa segue dentro de momentos... :)]
Print screen às 08:10

Print screen às 08:20





Print screen às 08:30



Print screen às 08:40




Print screen às 08:50




Print screen às 09:00



Print screen às 09:10



Print screen às 09:20


Print screen às 09:30


Print screen às 09:40

domingo, 20 de dezembro de 2009

Neste Natal, S. Bento receberá um presente muito especial...

A turma dos repetentes - perdão, a "Assembleia da República" - que me desculpe, mas é mesmo preciso fazer a diferença, este Natal.

Por isso o cadáver do TGV vai mesmo ser entregue em mão a todos os deputados que só pensam no umbigo deles, com prejuízo para o interesse pátrio.

Desses deputados costumo dizer aos meus amigos:
"Que o Senhor os tenha em descanso. Quanto mais depressa melhor."







Quanto mais depressa, melhor...

domingo, 15 de novembro de 2009

Plano Integrado de Transportes, do Eng. Luís Cabral da Silva, Especialista em Transportes pela Ordem dos Engenheiros

Recomendo uma leitura atenta ao documento infra.

Se não o puder fazer, dê pelo menos uma vista de olhos a este estudo da autoria do Eng. LUÍS CABRAL DA SILVA, Especialista em Transportes pela Ordem dos Engenheiros.

http://sites.google.com/site/planointegradodetransportes/



Só mais isto, que pode parecer à parte mas não é: se acha que os comboios não são necessários para o transporte de mercadorias, e que o que é bom é mais e mais e mais camiões TIR nas nossas estradas, veja estes vídeos:

http://www.youtube.com/watch?v=H5-5z8VlvFY&feature=related
Agora imagine que conduz o Mercedes Classe S, mas em vez do pequenito Smart está lá um camião TIR cujo condutor adormeceu ao volante. O que acontece ao seu Mercedes não é o mesmo que acontece neste vídeo ao Smart... é muito pior, porque se o Smart pesa 1/3 do Mercedes, um Mercedes pesa 1/10 ou menos do que um TIR carregadinho... Os crash tests são muito bonitos quando feitos a 64Km/h contra uma pequena barreira deformável (como se diz no 2º vídeo) ... mas na realidade acontecem às vezes contra camiões de 25t que se deslocam contra nós a 100 Km/h. A esses ninguém sobrevive. Ninguém, ok? Veja o 3º vídeo se não for uma pessoa muito sensível.

http://www.youtube.com/watch?v=1MsqJFoWSjI&feature=related
O ADAC (o ACP da Alemnaha, digamos assim), demonstra a ingenuidade (eu diria estupidez) dos testes actualmente feitos pelo EuroNCAP (organismo europeu pago com o nosso dinheiro), a 40 milhas por hora, ao comparar com crash tests feitos a velocidades superiores. Conclusão: a velocidade pode não ser causa do acidente, mas é sempre causa dos danos. Sempre. As pessoas morrem do impacto (desacelerações/impactos excessivos para órgãos vitais do corpo humano, como cérebro, para os ossos que protegem órgãos vitais, artérias e veias que, em resultado de fracturas, acabam por causar perda de sangue que leva à morte, etc...), não morrem de falta de ar, ok?

http://www.youtube.com/watch?v=ZSeb6ou1vRk&feature=related
Não muito chocante, mas não recomendado a pessoas sensíveis: vídeo captado por câmara de segurança de uma colisão envolvendo dois TIRs e alguns automóveis. Ao minuto 0:09 aparecem no canto inferior direito dois carros (o Mercedes e o BMW referidos na explicação do vídeo) que seguem muito próximos, de tal forma que no momento do acidente é quase impossível vê-los aos dois. São esses os carros referidos na explicação do vídeo como tendo os seus ocupantes falecido.

E para rematar: paremos de dizer TGV!!!. Portugal precisa de vias férreas em bitola internacional (= europeia) para podermos exportar e importar mercadorias e tirar os camiões das estradas. Bitola é a distância entre carris, que no formato ibérico é de aprox. 1,70m e na restante Europa é de aprox. 1,40m. A Espanha tem uma cada vez maior rede de ferrovia em bitola europeia. (A comunicação social e os governantes cá do rectângulo dizem que Espanha tem uma cada vez maior "rede TGV"... Se a parvoíce pagasse imposto e pudesse ser exportada, o défice era zero e a balança comercial era sempre a subir...)

À custa de não termos a mesma bitola que a Europa além Pirinéus, no ano passado exportámos, por comboio, apenas 8 toneladas para a Alemanha (8 toneladas são 2 ou 3 contentores. Ou talvez só 1, quem sabe... Este vídeo, espanhol, aqui:
documenta a demorada e custosa operação de mudança de rodados a um comboio para este poder entrar na linha europeia). O resto do que exportámos foi ou de barco ou de camião. O custo da exportação por camião prejudica gravemente a nossa economia, que também importa muita mercadoria por camião. Quem paga tudo isto somos nós.

O essencial é a mudança de bitola, (para que os comboios saiam de Portugal e possam continuar a viagem além Pirinéus, e vice-versa), não é a velocidade. Por isso paremos todos de falar em TGV, e falemos de ferrovia em bitola europeia. Os comboios que venham a circular nessas vias precisam de ser rápidos (250-300 Km/h) apenas na linha Lisboa-Madrid (de modo a poderem competir com o carro e com o avião - créditos a Rui Rodrigues e Luís Cabral da Silva nesta questão). Nas outras linhas a alta velocidade não é essencial. Já temos o Alfa que dá 220 km/h e o Intercidades que dá 200km/h. Só não se anda mais depressa porque as linhas estão uma miséria. Este Governo quer construir 5 linhas "Tê Gê Vê" (treta de gestão variável, é o que quer dizer...), mas não consegue mandar desnivelar as passagens de nível que existem no País, e que obrigam a afrouxamentos recíprocos do tráfego rodo e ferroviário! É obra! Se querem dar contratos à Mota-Engil, ao menos que seja para evitar que todos os anos morram portugueses nas passagens de nível. Há muita obra ÚTIL para fazer. É essa que tem de ser feita. Façam-na!

p.s.: quando é que no parlamento aqueles tipos começam a discutir o que realmente interessa? ou ainda vão demorar o resto do ano a discutir o "casamento" ou a nóvel "união de facto registada" entre pessoas do mesmo sexo? Dêem-lhes esse direito, pá!, e deixem o País concentrar-se no que é essencial!

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

A mentira da saturação da Portela

Em baixo, as imagens, print screen a partir do meu computador, com os slots da semana de 26 de Outubro (semana passada) de Portela e Faro, respectivamente.

A descrição do site de onde provêm estas imagens:

1) A home page é https://www.online-coordination.com/Default.aspx?tabid=DefaultPage
2) A página de selecção do aeroporto é https://www.online-coordination.com/Default.aspx?tabid=AvailWeek (Pode ir directamente a esta página sem passar pela home page)
3) A maneira de seleccionar uma semana é dar a entrada do dia da segunda-feira da semana que se pretende consultar, e depois as 3 primeiras letras do mês em inglês. Ex.: 26oct; 02nov; 09nov; 16nov; etc. (O primeiro campo que já lá aparece preenchido com Season W09 indica que estamos no Inverno de 2009 - Winter09)
4) A maneira de seleccionar um aeroporto é procurar a sigla. Lisboa é LIS, Heathrow é LHR, Gatwick é LGW. Se quiser saber a que aeroporto corresponde uma sigla, é só pôr no google essa sigla seguida da palavra airport. Zurique é ZRH.

Podem ver que o aeroporto de Faro (sigla internacional FAO) está muito mais saturado que a Portela. Então a lógica terá a de ser: construir um novo aeroporto não só em Lisboa, mas também em Faro. Você paga.
Pagamos todos, todos nós, os sonhos de Sócrates e os dos Governos anteriores, não menos culpados! Porque todos eles sonham com aeroportos, de certeza! E pagamos nós, os nossos filhos, e os nossos netos, porque tudo isto querem eles fazer com project finance de ficar a pagar juros à Banca durante 70 ou 80 anos. Não deixaremos que isto aconteça!

Cada um que pense por si, mas a verdade é só esta: a Portela está menos saturada do que Faro. Os números não mentem:

Runway Availability
Legend:
Green: Plenty of slots available.
Amber
: Limited slots available – Online Coordination will not automatically allocate a series of slots.
Red: Full to capacity. No slots available.
Grey: Night restrictions, runway closed, no constraint information available or no data available.


Portela:

Faro:
Com o que já sabe, procure Você próprio a disponibilidade de slots para o aeroporto do Funchal.
E para os aeroportos que quiser, nomeadamente estrangeiros.
Agora, esta reportagem da TVI, datada de 15 de Dezembro de 2008:



E pense por si próprio.

Porque os Bravos do Pelotão apreciam e estimulam o contraditório, pode ver aqui intervenções de pessoas que afirmam que esta reportagem da TVI não merece crédito:
http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=759584&page=13

No entanto, não deixa de ser curioso o seguinte: durante os últimos anos, disse-se que o problema da Portela era a falta de slots. Assim que tal mentira foi desmascarada, algumas pessoas passaram a dizer qualquer coisa como:
"É claro que o problema não é a falta de slots! Nunca foi! O problema, como toda a gente sabe [!] está claramente na falta de lugares para estacionar os aviões!"
Quando desmascararmos mais essa falácia (e vamos fazê-lo, não tenham dúvidas!), qual será o problema da Portela que invocarão a seguir? A minha imaginação não chega lá, mas há de certeza pessoas que já estão a pensar no próximo argumento para liquidar a Portela...

Ah, já sei! A falta de mangas na Portela! Ver isto, então:
É de chorar a rir. Aliás, é só chorar, porque a maneira como o Poder trata os cidadãos e as infra-estruturas que lhes deviam dar qualidade de vida, é de uma incompetência inenarrável...

domingo, 25 de outubro de 2009

Partir de dois inflexíveis princípios... e fazer renascer a SOREFAME.

Compatriotas:

Hoje muda a hora para a hora de Inverno. Temos 6 meses. 6 meses para pensar. Na Primavera temos de fabricar a primeira peça... na SOREFAME, que tem de voltar à vida!

Os dois princípios inflexíveis:


1) Portugal necessita de ligar os seus principais portos marítimos à rede ferroviária europeia (não associar para já isto à provinciana sigla "TGV"; vide em baixo sobre este ponto);

2) Portugal não se pode dar ao luxo de importar um comboio que seja. Todos os comboios serão construídos em Portugal.


1) É admissível que o cidadão comum, por comodidade de expressão e sob o fortemente irresponsável poder da comunicação social sobre a linguagem, use vulgarmente a expressão "TGV" para designar uns comboios que andam "muita depressa" lá para os lados da França.

Já não é normal que pessoas como José Sócrates e Manuela Ferreira Leite embarquem no mesmo provincianismo das conversas de café que se tem entre amigos. Mas talvez José Sócrates e Manuela Ferreira Leite não tenham toda a normalidade que seria exigível terem...

Falar de "TGV" (como eu odeio esta sigla, é que odeio mesmo, é-me repugnante!, parecemos uns parolos! É como aquela malta das empresas de "serviços" que trabalham para o trimestre e que só dizem "timing", "benchmarking", "pressing", ou como as tias que dizem "abat-jour", "chauffer"... ) em vez de se falar do essencial, que é

Bitola europeia,

faz lembrar as conversas dos ignorantes que confundem as características de um tecido com a etiqueta da marca do fato; o binário de um motor de automóvel com a sua potência; a qualidade intrínseca de uma obra com a fama do autor; a capacidade de um disco rígido com a velocidade de rotação e os tempos de acesso.

Hoje o que está a dar é: quantos cavalos? quantos Km/h? quantos Ghz? Quantos Gbytes? Para cima, sempre para cima, é o que toda a gente pensa que é melhor...

Perguntas de ignorantes, sem a mínima consciência de o serem.

Por que razão denomina constantemente a comunicação social "concurso para o TGV" um concurso preliminar lançado pelo Governo para a construção de linhas de bitola europeia de alta velocidade? O concurso é sobre caminhos de ferro, meus senhores, enquanto TGV é a marca de um comboio! Alguém pensaria dizer "Governo lança concurso para Mercedes" quando o Governo lançasse um concurso para uma estrada? Estaria tudo doido! Mas, neste momento, está mesmo tudo doido, só faltando chamar bois à carruagem e carruagem aos bois.

Mas lá chegaremos, a continuar assim a bebedeira colectiva... José Sócrates não sabe bem por que diz que o TGV é "fundamental", e Manuela Ferreira Leite suspendia o TGV sem pestanejar. Pena que ambos não tenham estudado mais durante o ensino obrigatório... Hoje estariam mais capacitados para pensar pela própria cabeça... Aliás, para pensar...

Como nem o primeiro nem a segunda sabem minimamente do que estão a falar (coitados, esta malta foi habituada desde pequena a comprar coisas de marca; daí a inclinação para apanhar a doença do TGV, que leva quem dela padece a pronunciar esta sigla para as câmaras de televisão pelo menos uma vez a cada 48 horas. É como os betos: não conseguem vestir roupa sem ser "de marca" - haja quem pague!), é natural que nada do que digam sobre o assunto faça o mínimo sentido.

Portugal precisa de transportar, acima de tudo, mercadorias de e para a Europa. Toda a Europa utiliza a bitola europeia, excepto Espanha e Portugal. (Não conto com pequenos troços totalmente secundários em que há ainda outras bitolas.) Espanha tem vindo a desenvolver uma extensa rede de bitola europeia, utilizando comboios que circulam a velocidades diferentes (É erro crasso pensar que em todas as vias férreas de bitola europeia circulam comboios ultra-rápidos. Mas é essa, infelizmente, a ideia que muita gente assimilou...).

Portugal precisa urgentemente de, em articulação com o País vizinho, ligar os seus portos marítimos às vias de bitola europeia que chegam de Espanha à nossa fronteira.

Essas linhas têm de ser, imperiosamente,

Linhas mistas,

isto é, linhas onde possam transitar comboios (sempre de bitola europeia, nunca é demais lembrar) quer de passageiros, quer de mercadorias. Por razões técnicas que qualquer leigo percebe, uma linha sobre a qual passem comboios de mercadorias tem de ser mais resistente (devido ao peso sobre cada eixo do comboio) do que uma simplesmente projectada para passageiros. Tem também de não ser muito inclinada; de outra forma, a locomotiva teria de ser capaz de um esforço de tracção descomunal...

O Ministério das Obras Públicas já revelou várias vezes a ideia de só construir linhas para passageiros, exclusivamente, deixando para mais tarde a construção de vias paralelas para as mercadorias. Esta ideia não tem ponta por onde se lhe pegue, e tenho a certeza de que nem o mais charrado dos arrumadores de automóveis de Lisboa ouviria esta ideia sem dizer logo de seguida: "Mas tá tudo parvo?" Seria como construir duas pontes uma ao lado da outra: uma para carros, outra para camiões... Claro que é um negócio que só pode ajudar um tipo de "dealers": os grandes empreiteiros das obras públicas, mais conhecidos como "patos bravos de alto calibre" (só abatíveis a zagalote grado... daí o nome) :)

(Se pensam que isto não foi já feito em Portugal, reparem bem: em 1966 foi inaugurada uma ponte que tem hoje 6 faixas de rodagem e via férrea dupla: em 1998, sob os auspícios desse grande (?!) enginheiro/Ministro/Lusopontense Ferreira do Amaral, foi construída uma ponte... ah... pois... sem comboio. Vêem como eles não gostam de fazer logo tudo de uma vez?)

Bem, de volta à seriedade.


2) Lisboa - Madrid a 350Km/hora. Fantástico! "A que preço, por favor? O quê? E ida e volta, há desconto?"

Desculpem lá mas não há dinheiro. Solução? É muito simples: construímos a linha de ligações de Sines/Setúbal/Lisboa até Elvas/Badajoz, e nuestros hermanos põem a circular entre Madrid e Lisboa os comboios que quiserem. Nós pomos os nossos, que a Sorefame renascida vai construir. Uns (os espanhóis) serão mais rápidos mas mais caros. Outros (os nossos) mais lentos e mais baratos (tarifa tipo Alfa). Depois é deixar o povo (aliás, os povos) escolher. A competitividade fez sempre bem. Somos portugueses, não somos espanhóis, e não é por os nossos vizinhos terem um Ferrari que nós também temos de ter! Da última vez que fui ao Porto e voltei paguei 34,90 ida e volta no Intercidades. Passei a viagem a ler e tudo me pareceu bastante confortável. Gostava muito de ir a Madrid e voltar com a mesma tarifa por Km que o Intercidades pratica. Podem fazer esse favor?

Por isso não me venham com a ideia de termos de importar comboios. Essa não. Importem o raio que vos parta, Srs. governantes, agora comboios não. Dou 6 meses ao Governo para ressuscitar a Sorefame. Não é um ultimato! Eu tinha lá poder para isso... :) É que o Governo, a continuar a defender a importação de comboios made in "lá fora", só se está a candidatar a uma coisa: cair.

Às vezes, não sei se não é isso que o Primeiro-Ministro, lá no fundo, no fundo, quer. Isto está tão mau que está ingovernável. Mas é possível dar a volta. Comecem pela Sorefame, pensem em construir comboios cá em Portugal para velocidades da ordem dos 220 - 260 Km/h e verão como até a oposição aplaude o Ministro das Obras Públicas.

Lembro que as locomotivas 5600 Siemens, feitas na extinta Sorefame com know how alemão, dão 220Km/h. Só não andam mais depressa por causa do mau estado das vias. Vias essas que estarão cada vez pior se o dinheiro, em vez de ser bem distribuído por toda a ferrovia nacional, se concentrar no projecto megalómano dos comboios a 350 Km/h (Ainda bem que não há comboios mais rápidos, ou o IVA já estava a 30% e o IRS a 60%! Este Governo é um autêntico caçador-recolector! Mas em 4 anos de maioria absoluta, curiosamente, não há um km de ferrovia de velocidade elevada novo!... As linhas Lisboa Évora e Lisboa Beja continuam por electrificar... Paradoxos das maiorias absolutas...)

Comboios importados, NUNCA, NUNCA, NUNCA. Os nossos comboios serão feitos por nós, portugueses!

PORTUGAL, sempre!

(Vide, sobre estes assuntos o EXCELENTE programa em
http://tv1.rtp.pt/programas-rtp/index.php?p_id=15928&e_id=&c_id=1&dif=tv&dataP=2009-10-17
entre o min. 4:14 e o minuto 23:46. Muito OBRIGADO a quem me enviou o endereço actualizado da RTPN.)

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Dedicado a Cavaco Silva e a José Sócrates

Nos anos 80 dizia-se que só havia 3 homens em Portugal:

a Maria de Lurdes Pintassilgo,
a Simone de Oliveira,
e a Beatriz Costa.

O resto tinha sido capado.









sábado, 17 de outubro de 2009

Tráfego em queda... Precisamos de um novo aeroporto... Talvez mais pequeno!


O povo português já está finalmente convencido de que a necessidade de um Novo Aeroporto para Lisboa foi um embuste criado pelo Governo para entregar umas obrazinhas aos amigos do costume, tudo pago por mim e por si.


Houvesse - repito: houvesse, porque na verdade não há - necessidade de Novo Aeroporto para Lisboa, e a solução já exitiria: Base Aérea do Montijo. E ainda há Sintra, que seria decerto tão do agrado do Oeste que reivindicava a Ota.


Mas, como todos sabemos, o que interessa é desmantelar a Portela, porque tudo, em torno destas negociatas, tem uma só causa: os terrenos da Portela valem muito. O pior é que, depois de vendidos aos amigos, o turismo em Lisboa iria por água abaixo. Lisboa, que é a 9ª cidade mais procurada no Mundo para congressos internacionais, que é cada vez mais procurada para city-breaks, que... Enfim, tirem o Aeroporto de Lisboa da Portela e verão o que é o desemprego a subir.


Mas cada um que pense por si próprio:




e

http://www.ana.pt/ngt_server/attachfileu.jsp?look_parentBoui=70785810&att_display=y&att_download=y

terça-feira, 29 de abril de 2008

Isto é CONTRA A SEGURANÇA!


Ver o artigo de Rui Rodrigues aqui:


A ausência de uma taxiway completa até ao fim da pista é contra a segurança!
E é contra a racionalidade económica!
E é contra o respeito pelo ambiente! (Já vão perceber esta...)

Ah... mas é a favor do lóbi do betão!
(Poltela sel linda pala continual a glande obla da Alta do Lumial! Quel apaltamento bonita na Poltela? "Ou moun tintoi; lai si tai loi..."
Não liguem: é o gajo do betão a falar com sotaque do oriente. Adivinharam quem é?)



A Portela será certamente um dos poucos aeroportos no Mundo a servir uma grande capital como Lisboa, a ter um... ah, como hei-de dizer isto... um pequeno problema com as pistas e o acesso a elas (taxiways).

O problema é que um avião que aterre na pista 03 e não consiga sair na última saída, tem de ir até ao final da pista, virar para a esquerda, e depois, pasme-se, tem de cruzar a própria pista em que acabou de aterrar para chegar à placa de estacionamento.

Mas isto não acaba aqui, meus Srs..
Não: para um avião que precise de descolar da 21, o que é que o avião tem de fazer?
Pois adivinharam: sai da placa de estacionamento, cruza a própria pista da qual vai descolar, e dirige-se para o seu início.

Contra todas as boas práticas de segurança, na Portela os aviões cruzam com alguma frequência a própria pista donde descolaram/vão aterrar :)

E digo "com alguma frequência" e não "sempre" porquê?

Porque de há mais de um ano para cá, o controlo de tráfego arranjou uma maneira de isto não ter de acontecer:

os aviões que podem (isto é, cujas tabelas do fabricante permitam descolagens mais curtas), descolam não do início da pista (refiro-me às descolagens da 21), mas sim... da intersecção da pista com a taxiway.
Assim já não há cruzamentos de pista!

Como os passarocos que frequentam a Portela raramente excedem a categoria de pesos-médios (ou seja, raramente se trata de aviões para além dos frequentíssimos A320 e B737), a verdade é que a maior parte deles também consegue sair da 03 (quando aterram) no última saída. No dia em que mais e mais B777, B747, A330 e A340 utilizarem a Portela, aí, claro, lá há-de vir a NAER ou coisa que o valha com a ladaínha do costume: "De facto, a falta da taxiway limita o número de aterragens e descolagens por hora". Pois limita! Há mais de 30 anos que vários especialistas vêm alertando para a necessidade de se fazer essa obra! Mas não! Há muitas pessoas a quem dá muuuuuito jeito que a Portela seja tão deficiente quanto puder, para então poderem gritar: "Precisamos de um aeroporto em condições, precisamos de um aeroporto em condições".

E tribunais em condições, em que não haja ratos?
E escolas em condições, em que não chova?
E hospitais em que nas urgências não se tenha de apanhar 3 novas doenças de que antes nunca se padeceu?
Haverá dinheiro para tudo?
O dinheiro que foi investido no aeroporto da Portela poderá ser desbaratado, assim, tão levianamente?

Meus Senhores:

Por que é que a taxiway não acompanha a pista até ao fim???

Então não era o Cmdt. Sousa Monteiro que escreveu um artigo a perguntar: "e se o acidente de Congonhas fosse na Portela?" É que a verdade é esta: à descolagem da 21, um terço da pista já está atrás do avião na altura em que se larga o travão e o bicho começa a comer pista! Verdade ou mentira? Por que razão a 21 está assim reduzida a 2/3 do seu comprimento? PORQUE não há taxiway até ao fim, pois porque havia de ser?!!!

Não foi o Cmdt. Lima Basto que disse, no Prós e Contras da RTP, que isto que aqui se descreve neste post "é contra a segurança" (refiro-me, note-se, ao problema do cruzar a pista, e não às "descolagens curtas", que são sempre feitas com respeito das indicações do fabricante da aeronave)?

Veja aqui a partir dos 4 minutos e 20 segundos e até aos 4:44:

http://www.youtube.com/watch?v=vwxIfuoGXp8

Mas há mais:

o facto de muitos aviões descolarem da 21 não a partir do início da pista, mas sim 1300 metros depois de esta ter começado, faz com que os aviões sobrevõem a muito mais baixa altitude o Hospital Júlio de Matos e a área circundante, quando o poderiam fazer a uma altitute muito mais elevada, provocando muito menos ruído, se tivessem descolado do início da pista, que fica mais de 1 Kilómetro mais afastado do Hospital e do Campo Grande. (Lembro que o som, que é o resultado da popagação de ondas mecânicas pelo ar (neste caso), tem uma intensidade inversamente proporcional ao cubo da distância da fonte do ruído. Isto ainda se aprendia em Acústica, no Conservatório Nacional, da última vez que lá tive aulas...)
Inacreditável, não é???

É engraçado: para argumentar a favor da extinção da Portela, usa-se o argumento do ruído;
o mesmo é feito com o argumento da segurança. Mas...
...curiosamente, quando o ruído e a segurança são invocadas para alertar para a necessidade de se fazer a obra urgente que é o prolongamento da taxiway, aí já ninguém dá crédito a estes argumentos! Servem só quando dão jeito :)

Meus caros:

Com ou sem extinção da Portela (e esta é que é a verdade!), a Portela vai ser o aeroporto de Lisboa até 2017.

Há aí alguém com a seriedade que se impõe para mandar fazer esta obra?
Agradecido.

quinta-feira, 17 de abril de 2008

Lufthansa ameaça sair de Portugal...

...caso taxas aeroportuárias continuem a subir.

Jornal de Negócios:

http://www.jornaldenegocios.pt/default.asp?Session=&CpContentId=315421

Aviso à navegação:

Deixem estar a Portela quietinha, senão quem vai pagar o disparate de acabar com a Portela não vão ser vocês nem eu, porque entretanto teremos morrido todos de ataque cardíaco por assistir a tanto disparate governativo. Quem o vai pagar serão os nossos filhos, a quem o fisco há-de penhorar as latas da sardinha da dispensa para conseguir financiar o

Grande aerotorto!!!

(Em Alcochete/Canha/Montijo o que se deve fazer é construir uma só pista e um terminal. Mai nada!)
No próximo post:
por que razão a Portela vai entrar no Guinesse como o "aeroporto mais movimentado do mundo com taxiway incompleta".
Porque os portugueses quando fazem, fazem sempre para ser os maiores do Mundo!!!

quinta-feira, 10 de abril de 2008

Prof. Paulino Pereira (Inst. Sup. Técnico)

(Apresentamos o resumo da intervenção do Prof. Paulino Pereira na Sociedade de Geografia)



J. Paulino Pereira - Março 2008
Sociedade de Geografia

Ideias base da minha intervenção

1. Mais travessias sobre o rio Tejo a ligar as 2 margens do rio na zona da Mega-Lisboa

A cidade de Lisboa não é só o Município de Lisboa (e ainda menos só o Terreiro do Paço)
Daqui resulta a noção de Mega-Lisboa (Mega-Lisboa é a Área Metropolitana de Lisboa +
concelhos em vias de terciarização)

Há movimentos pendulares dos concelhos limítrofes para o concelho de Lisboa
Há movimentos pendulares do concelho de Lisboa para os concelhos limítrofes
Já há muitos movimentos pendulares entre concelhos limítrofes

Mega-Lisboa deveria ter gestão autónoma, ou seja dever-se-ia acabar com os presidentes das
Câmaras dos concelhos da Mega-Lisboa e eleger um Presidente da Mega Lisboa (os actuais
Presidentes das Câmaras seriam os Presidentes das Freguesias da Mega Lisboa)

É necessário fazer novas travessias do rio Tejo na região de Lisboa, para juntar as duas partes de
Lisboa (margem Norte e margem Sul)

É necessário que Mega Lisboa tenha uma massa crítica demográfica de 5 milhões de habitantes
em meados do século 21 para ser concorrencial em termos europeus

Para criar estrutura urbana coesa é necessário coser as 2 margens, com travessias ferroviárias e
com travessias rodoviárias (quanto mais, melhor…)

Estudos GATTEL (1991)

Dos estudos do GATTEL, verifica-se que as travessias a fazer a breve trecho são as seguintes:

• Chelas Barreiro (vocação predominantemente ferroviária, mas pode ter componenterodoviária)

• Algés Trafaria (vocação predominantemente rodoviária)

2. Alternativas em túnel e em ponte

a)Alternativa 1 – Túneis

Seria preferível travessias em túnel, por razões paisagísticas e para não afectar o belo panoramado Estuário (embora mais cara)

Soluções em túnel pelo substracto rochoso (abaixo das aluviões) são muito compridas e obrigama estruturas muito feias e grandes (os edifícios de ventilação)

Soluções em túnel, assente sobre aluviões (caixões prefabricados de betão ou tubulões de aço), implicam que se encontre camada arenosa com características de suporte e que não sofraassentamentos diferenciais

Zona do Mar da Palha (travessias Chelas-Barreiro e Beato-Montijo) – não parece ser possível(lodos argilo-siltosos e silto-arenosos, zona de Barreiro, problema de sedimentos contaminadospela indústria química)
Tenho proposto solução de túnel assente sobre aluviões para a travessia Algés-Trafaria, desdeque se encontre essa tal camada arenosa com características de suporte (dr. Ricardo Oliveira,COBA, que fez estudos sedimentológicos do rio Tejo, no âmbito da sua tese para especialista doLNEC, na década de 60, diz que mesmo aí não é possível).
Só a realização de sondagens poderá confirmar essa possibilidade de solução)


b) Alternativa 2 – Ponte

b1) Ponte Beato-Montijo

Não serve população da margem Sul da Mega-Lisboa (zona central), só serve aeroporto e AVF(Alta Velocidade Ferroviária) com nó em Canha

Frankfurt - com S-Bahn, U-Bahn e ICE (alta velocidade alemã) - só 27% vão de comboio para aeroporto

Paris Charles de Gaulle com comboio suburbano e TGV, só 20% vão de comboio para aeroporto

Aeroporto de Canha (incorrectamente apelidado de Alcochete) – estudo propõe 35%, 40% e atése fala em 50% a ir de comboio para o Aeroporto (parece pouco credível…)

Não se faz uma travessia (corredor ou túnel) para servir só um aeroporto…

b2) Ponte Algés-Trafaria

Serve população da margem Sul da Mega-Lisboa (zona Poente), nunca serve aeroporto (semudado de local), nunca serve AVF (Alta Velocidade Ferroviária)

Descongestiona a ponte 25 de Abril

Prevista já no tempo de Salazar (década de 60), em alternativa à ponte 25 de Abril

Ponte suspensa (=ponte 25 de Abril)

Ponte com componente rodoviária essencial (=ponte 25 de Abril)

Pode ter componente ferroviária acessória (=ponte 25 de Abril)

Inserção na margem Norte: vertente Oeste da serra de Monsanto

Inserção na margem Sul: Alto da Trafaria

b3) Ponte Chelas Barrreiro

Serve população da margem Sul da Mega-Lisboa, serve aeroporto (se mudado de local), serveAVF (Alta Velocidade Ferroviária)

Ponte com componente ferroviária essencial: TGV, suburbanos, shuttle aeroporto

Ponte com componente rodoviária acessória (pode ser feita depois de 2 a 3 anos de início deexploração ferroviária, para “acalmar” a concessionária da ponte Vasco a Gama)

Inserção na margem Norte: defendo um corredor mais a Poente do proposto pela RAVE,entrando pelo Vale.

• componente ferroviária - serve bem linha de cintura; serve bem nova estação de Lisboa-Norte (Lisboa-Chelas);

• componente rodoviária - serve bem “Circular da Ponte” do Plano de Urbanização de Duarte Pacheco (avenida Estados Unidos da América – avenida das Forças Armadas –nó de Sete Rios).

Inserção na margem Sul: defendo o corredor tradicional, por cima da zona industrial doBarreiro.
Estrutura da ponte: atirantada (preferível)

• Ponte principal (cala Norte): o vão pode ser igual ao da Ponte Vasco da Gama e alturade 40 a 50 m acima do plano de água

• Pendente de Norte para Sul

• Ponte secundárias: cala Sul): o vão pode ser igual ao da Ponte Vasco da Gama e alturade 30 m ou menos acima do plano de água

3. Proposta ferroviária na Península de Setúbal


3.1 Linha de bitola europeia (a encarnado) = linha de alta velocidade

Linha Lisboa – Évora – Badajoz – Madrid

Linha shuttle entre 2 aeroportos (AEROPORTO Lisboa – Portela e AEROPORTO Lisboa –
Setúbal), com paragens em estação de Lisboa Norte e Barreiro

Linha suburbanos da região Sul da Mega-Lisboa

3.2 Estações de CF na Mega-Lisboa

a) Estação Central de Lisboa – Norte

Localização em Chelas (e não na Gare do Oriente como RAVE defende, embora essa alternativa
seja sempre possível se se expropriarem os terrenos a Oeste)

Estação só para passageiros

b) Estação Central de Lisboa – Sul

Localização no Aeroporto Lisboa-Setúbal (passageiros), e ao lado da plataforma logística do
Poceirão (mercadorias).

c) Estação no Aeroporto de Lisboa-Portela

d) Estação de sub-urbanos, Barreiro

Qualquer estação poderá ser um espaço polivalente, com centro comercial, zona de serviços,
zonas de restauração, hotéis, etc..

Estação é um investimento que atrai investidores, nomeadamente do sector imobiliário

3.3 Linha de shuttle Aeroporto-Portela (Norte) e Aeroporto Lisboa-Setúbal (Sul)

Serve passageiros dos aeroportos

Serve Mega-Lisboa e centro de Lisboa

Serve investidores dos aeroportos que rendibilizam melhor o projecto

3.4 Área de reserva de infraestruturas logísticas e de transportes

Prever zona de reserva (defini um quadrilátero com verticais em Pinhal Novo e Marateca e
estendendo-se desde o rio Tejo ao rio Sado)

Considerar zonas de protecção ambiental

Gestão autónoma das autarquias



3.4 Aeroportos na Mega-Lisboa:

a) AEROPORTO Lisboa – Portela

O actual, sem base militar e só para passageiros (retirar mercadorias)

b) AEROPORTO Lisboa – Setúbal

Algures dentro do quadrilátero Pinhal Novo – Faias – Marateca – porto de Setúbal, com
geocentro em Poceirão

Construção faseada do Aeroporto Lisboa-Setúbal: 1º pista para low-cost e mercadorias; depois
aeroporto completo à medida das necessidades e da procura;

Aeroporto bem servido por rede rodoviária convencional

Aeroporto bem servido por rede de alta velocidade rodoviária (auto-estradas), está junto do nó
da Marateca (cruzamento do eixo Porto – Algarve com eixo Lisboa – Évora – Badajoz)

Aeroporto bem servido por rede ferroviária convencional, junto de nó do Poceirão, com ligação
a porto de Setúbal e Sines; e junto do nó de Pegões, com ligação a Setil e Norte, porto de Sines,
Alentejo e Algarve)

Aeroporto bem servido por rede ferroviária de alta velocidade (linha Lisboa – Évora – Badajoz
– Madrid)

c) Aeroporto Militar no Montijo (actual base aérea), eventualmente remodelando a pista
principal para ser paralela à do aeroporto de Lisboa-Setúbal (orientação Norte-Sul preferencial)

d) Aeroporto em Canha (proposta da CIP)

É a pior localização da margem Sul (mas mesmo assim é melhor do que a Ota…)
Localização na Ota é péssima; localização em Canha (Alcochete CIP) é má; localização na zona
Pinhal Novo – Poceirão – Faias é bom

Está a quase 50 km de distância de Lisboa
Está ainda mais longe para os maiores utilizadores do aeroporto que são os residentes em
Oeiras, Cascais e Sintra

Está longe dos nós da linha ferroviária tradicional (Poceirão, Pegões)
Está longe da linha rodoviária de alta velocidade (nó da Marateca)

Está longe da plataforma logística do Poceirão

Está longe do porto de Setúbal e do porto de Sines

Necessário mudar localização do Aeroporto para E ou para SW como preconizado no relatório
do LNEC (eventualmente será necessário fazer permuta de terrenos entre terrenos do campo de
tiro de Alcochete e zona mais favorável para o Aeroporto. Investidores preferem porque ficam
mais próximo do rio)

3.5 Linha de Alta Velocidade Ferroviária (AVF)

Chega ao centro de Lisboa (e Lisboa não é um ramal)

Segue pelo traçado RAVE na margem Sul (Barreiro – Poceirão – Évora – Badajoz – Madrid)
a) Linha de AVF Lisboa – Porto

Estações têm de passar pelo centro das cidades (em bypass associado a passagem directa na
periferia das cidades) (não concordo com estações de AV a 20 km das cidades como proposto
pela RAVE)

Linha deve ser preparada para passageiros e mercadorias (traçado em planta e em perfil
longitudional compatíveis)

Trecho Lisboa Porto - pode seguir pelo corredor Estação Central de Lisboa – Norte (Chelas) –
Aeroporto de Lisboa-Portela – Loures – Malveira – Torres Vedras – Caldas da Rainha – Leiria,
paragens de AV – só Lisboa e Leiria)
Aproveita-se para fazer linha de sub-urbanos e para AVF
Serve a Mega-Lisboa

De Leiria segue pelo corredor RAVE, a Oeste dos Candeeiros

Importante a chegada ao Porto e ao centro do Porto e ao aeroporto de Pedras Rubras (não
discutir agora)
Jorge Paulino Pereira
Março de 2008

terça-feira, 8 de abril de 2008

Túneis em vez de pontes

O Google Earth mostra a presença dos túneis


O Google Earth já não mostra a presença dos túneis. (David Copperfield realizou o truque do desaparecimento dos túneis a pedido dos Bravos do Pelotão.)
















Questões para reflectir:

Por que será que em Hong Kong há estes 3 túneis? (Há mais, mas mando só estes para não causar enfartamento... :)



Será que não conseguiam fazer uma ponte com um vão tão grande que fosse de uma margem à outra sem serem necessários pilares?

Seria por causa do impacto visual?

Seria por causa dos problemas postos à navegação?

Por que razão as autoestradas têm hoje cruzamentos desnivelados?


Será que a mesma ideia não fará sentido no Mar da Palha? ("desnivelando" o cruzamento entre navios e automóveis, pois claro!...)

Desejam que vos mande mais fotos destas de comparação em que o gentil Google Earth nos mostra imagens satélite com e sem os túneis?

É que os túneis têm um problema: a partir de fotos-satélite são... ah... um pouco difíceis de detectar...

É preciso saber onde eles estão para ir à procura...

Hoje com o Google a questão está mais fácil.

O Google faz mais pelo ordenamento do território português do que o LNEC todo junto...



Nos próximos episódios:

Nova Iorque

Roterdão

São Francisco

e o Túnel do Canal da Mancha, que não aparece no Google porque...

...adivinharam!

É só FERROVIÁRIO!!! (Vá-se lá saber porquê o Google não se interessa senão por rodovias. Por enquanto, porque já receberam um mail meu a pedir mais atenção às ferrovias.)

Alguns links à toa relativos a túneis sob cursos de água, dos milhares que podem ser encontrados na net:

http://www.panoramio.com/photo/2720421

http://www.westernharbourtunnel.com/en/index_content.asp

http://en.wikipedia.org/wiki/Tunnels_and_bridges_in_Hong_Kong

http://pt.wikipedia.org/wiki/Eurotúnel

http://www.ingentaconnect.com/content/els/08867798/1995/00000010/00000004/art00033

http://www.ita-aites.org/cms/159.html


A vida é um túnel, túnel, únel... el... para o OUTRO LADO... Outro lado... ... ..... .. ummmmmm

sexta-feira, 4 de abril de 2008

«Eu vos envio muito saudar»

Ou

"Como uma ponte pode liquidar o Estuário do Tejo"




A imagem supra é retirada do relatório LNEC acabado de publicar, e disponível neste endereço:
http://www.moptc.gov.pt/tempfiles/20080403141559moptc.pdf
Trata-se com efeito de um print screen do meu monitor enquanto o pdf desse relatório estava aberto. É ver para crer! (Pág. 41 do pdf, corresnpondente à pág. 19 em numeração árabe do documento (o documento começa com um introito em numeração romana. Chiquérrimo, sei lá!).)

Do lado esquerdo, a 25 de Abril. Do direito, a Vasco da Gama. Ao centro, aquilo que é hoje um dos maiores Estuários do Mundo, e que serve a 9ª cidade mais procurada em todo o Mundo para Congressos Internacionais - Lisboa! -, e onde está radicado um dos portos mais importantes do Atlântico Norte - o Porto de Lisboa - com um dos maiores parques de manobras e fundeamento de navios do Mundo: o Tejo!

Travessia por ponte sim ou não?

Não.

Pelas seguintes razões:

Sou contra a construção de qualquer nova ponte entre a 25 de Abril (para quem não gosta do nome é o nome oficial, e, até ver, Portugal é um Estado de Direito, certo?) e a Ponte Vasco da Gama, por causa dos argumentos expendidos numa carta que circula na net por correio electrónico e que abaixo reproduzo(e cuja autenticidade, bem como a veracidade do Autor, não posso verificar. Se alguém tiver dados sobre o texto, que m'os envie, por favor).

A ser construído um túnel, oponho-me à sua valência rodoviária.

Ouve-se por aí dizer muito - então no Parlamento é "mato" - a expressão "V. Exa. não tem autoridade moral para...". Ora eu, que com 30 anos não tenho nem carro nem carta (e que já entregeuei à Carris e ao Metro, para me transportarem, até hoje, cerca de 5000 euros, a preços actualizados), acho que tenho autoridade moral para defender o ponto de vista de quem é contra o aumento da circulação rodoviária. Não se trata, repare-se, de condenar quem é a favor da utilização do automóvel particular. Nada tenho contra os adversários das minhas opiniões, apenas sou contra a sua opinião... :)

E a minha opinião baseia-se no seguinte:

Mais carros em Lisboa não!

Mais dependência energética dos combustíveis fósseis não!

Mais dinheiro dado a ganhar às petrolíferas não!

Mais poluição neste planeta não!

Quantos milhares de automóveis é que uma ponte rodoviária - ou túnel rodoviário - faria entrar em Lisboa?

E agora, quanto a argumentos sobre o conflito das pontes com o Estuário do Tejo, cedo a palavra a outrem.

Esta é a carta, tal como me chegou, por várias vezes nos últimos dias, à caixa de correio electrónico, enviada por amigos compatriotas, e cuja exactidão/completude/autenticidade não posso verificar. Também desconheço a data em que foi escrita. Agradecia informações sobre este texto. Muito obrigado. Se o Autor desejar entrar em contacto comigo, é muitíssimo bem-vindo! Espero que não se importe que o seu texto esteja aqui divulgado, e espero também que o seu texto esteja fidedigno ao original.
O destaque a encarnado é da minha responsabilidade e pretende chamar a atenção para os pontos que considero mais importantes.


TEXTO DO CMTE. JOAQUIM SILVA

PONTE CHELAS-BARREIRO, O FIM DO PORTO DE LISBOA

A decisão do Governo de solicitar um estudo ao LNEC, sobre qual a opção a tomar numa nova travessia do Tejo, (julgo sem se ter determinado qual o tipo de transporte que a irá utilizar) parece ter congregado a satisfação de todos os sectores da sociedade cível que possam ser afectados por essa nova e grandiosa obra pública.


Mas as minhas preocupações continuam a avolumar-se pelo facto de estar a assistir a contínuos debates públicos sobre o tema, em que os seus interventores opinam sobre as mais diversas escolhas para um novo local, sem nelas haver a mais pequena referência às actividades marítimas e aéreas que se servem do espelho de água que o estuário de rio Tejo proporciona, e das quais resultou o grande porto de Lisboa, uma das maiores riquezas deste País.

Não vejo marinheiros, responsáveis portuários, pilotos da barra e rio, a nossa Armada (a Defesa Nacional), armadores, carregadores, agentes de navegação, etc. principais interessados e responsáveis pelo assunto (uma nova ponte sobre o Tejo) discutir tão importante questão para o nosso futuro.

Portugal consolidou-se como País em 1147 com a tomada de Lisboa aos mouros por via do auxílio dado pela grande esquadra cruzada (cerca de 200 navios) a D. Afonso Henriques graças ao estuário do Tejo permitir a entrada, abrigo e posicionamento de tão grande frota naval, até então nunca vista.

Foi mais uma vez o estuário do Tejo que permitiu a expansão marítima dos portugueses por todo o mundo com nova constituição duma numerosa frota naval que deu inicio a essa saga com a tomada de Ceuta e 1415.

De novo o estuário do Tejo permitiu que a 29 de Novembro de 1807 uma grande frota naval recolhesse toda a corte e as elites politicas e intelectuais nacionais e evitasse a sua eliminação (como Napoleão o proclamara) deslocando-se para o Brasil, a permitir não só que Portugal continuasse como nação livre mas também se implementasse os géneses do nascimento daquela nobre e grande nação irmã.

E será sempre o estuário do Tejo, enquanto pilar e suporte marítimo o garante da soberania portuguesa a qual se extinguirá quando a importância marítima de Lisboa se apagar.

É que se tem discutido tudo sobre tabuleiros, rodo ou ferroviários, número de vias férreas, locais de penetração nas margens, número de viaturas a passar, povoações que se beneficiam ou não, etc., etc., e não tem havido a mínima preocupação, ou a mais pequena referência, sobe o que vai acontecer, ou como vai afectar, ao futuro do porto de Lisboa e suas actividades marítimas, quando se colocar sobre o Mar da Palha mais uma ponte.

Como tenho vindo a expor em todas as minhas intervenções sou contra mais qualquer ponte no estuário do Tejo a jusante da ponte Vasco da Gama, pelas razões que a minha experiência profissional ditam.

Minha opção em novas travessias é por via de Túnel. Opção que está a ser seguida na maior parte dos locais onde uma ponte afecte a navegação marítima; veja-se incluso o caso da travessia do Kattegat (Dinamarca-Suécia) em que a ponte aí construída, a meio do canal passa a túnel, para libertar a navegação.

Aliás não compreendo com é que se procura, com carácter de seriedade politica, definir um tão grande investimento, constituído não só pela nova travessia como pelo tremendo emaranhado de redes de transporte para a região de Lisboa sem haver previamente um PLANO DIRECTOR DE TRANSPORTES DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA , no qual se foque os transportes terrestres, aéreos e marítimos que lhe vão servir.
Plano esse que deverá ter em conta:
(a)-Todas as infra-estruturas de transporte nacionais e trans-europeus que afectem o porto de Lisboa.
(b)-A política legal (legislação) dos transporte nacionais e da Comunidade Europeia.
(c)-O futuro do porto de Lisboa face à navegação de longo curso e de “short sea service” (auto-estradas marítimas europeias).
(d)-O enquadramento do transporte marítimo no sistema de transporte rodoviário, ferroviário e aéreo tendo em conta, primeiro, o alargamento do canal de Panamá em 2014, aliás alargamento que foi debatido pela sociedade civil deste País e sujeito a referendo nacional. O que irá permitir a passagem da nova geração de gigantes navios porta-contentores do Pacifico sobre Europa (Portugal em face) e dos grandes paquetes de cruzeiro com maciço número de passageiros provenientes da costa ocidental das USA, o maior potencial deste turismo para a Europa; segundo, a passagem das bitolas ibéricas, em Espanha, de 1668 mm para 1435 mm em 2020 e finalmente o túnel de ligação África-Europa, em Gibraltar, possivelmente na mesma data, com os porto de Marrocos já em grande avanço para enfrentarem esta nova revolução dos transportes (a duplicação do movimento de contentores na próxima década.)
(e)-A mobilidade urbana e sua qualidade de vida.

Factos estes, a somar às pressões ambientais que irão determinar qual o transporte de longa distância que irá ser excluído, e dar aos portos portugueses, em especial Lisboa, um impacto tremendo que será nulo se o porto de Lisboa perder capacidade de se apetrechar e modernizar para tal.

Pessoalmente sou contra mais pontes no estuário do Tejo, em especial a sul da ponte Vasco da Gama. Dou preferência aos túneis.

Então uma ponte CHELAS-BARREIRO será a maior catástrofe para o futuro do porto de Lisboa:
(a)-Acabará com a possibilidade do Mar da Palha ser um amplo fundeadouro, com capacidade para fundear ou manobrar uma esquadra ou um comboio de largas dezenas de navios mercantes. Quem nos garante que no futuro tal não será imperioso? Quem nos garante que a humanidade não irá sofrer um impacto, para não dizer um afrontamento, ocidente-oriente? Quem nos garante que tal situação não nos vai obrigar a ter um espelho de água para tais operações navais para nos abastecer e permitir sobreviver?

Além do que tantas dezenas de pilares para o suporte da ponte irão levar ao estuário do Tejo um tremendo assoreamento, similar ao que está a acontecer em volta do pilares da Vasco da Gama.
Nós próprios aquando nos anos 50 fomos responsáveis pelo terminal petrolífero do Cabo Ruivo e pela manutenção das dragagens do então construído canal de acesso a seus cais, ao longo de Xabregas, verificámos como as poitas (blocos de cimento) suportes das próprias bóias sinalizadores desse canal, eram causadoras de grande assoreamento de lodos em sua volta, obrigando as dragas holandesas – então contratadas pela SOPONATA - a proceder a uma dragagem constante do canal.

Imagine-se que consequências terão para os fundos do rio os pilares duma ponte CHELAS-BARREIRO. O Instituto Hidrográfico foi ouvido sobre tal?

A própria Marinha de Guerra retirou nesses anos as bóias do então chamado “quadro de amarração” dos seus navios quando surtos ao largo do Tejo, por serem elementos perturbadores das manobras dos navios no estuário. E agora assenta-se nele uma ponte?

(b) Acabará com muitas das operações aeronáuticas na base do Montijo visto ficar a poucas centenas de metros das suas pistas, e muito especialmente com as operações de hidroaviões que tem no Mar da Palha o único espelho de águas calmas capacitado para amaragens; no momento actual não só a hidros de actividades nos combates a fogos ou de segurança, fiscalização e salvamento marítimo como a possível grandes naves de transporte de carga e passageiros (em estudo a sua reutilização com os americanos a rebuscar nos “baús” os planos dos grandes hidros de Howard Hughes) tendo em consideração que as grandes aeronaves e projectos e a entrar no mercado estão a necessitar de pistas de 4 e 5 mil metros, com terrenos livres e em condições para elas difíceis de encontrar.

Tal com há anos aconteceu aos paquetes – deitaram-nos fora e hoje nunca houve tantos e tão grandes paquetes sulcando os mares.

Com a ponte CHELAS-BARREIRO acabam os hidro-aviões no TEJO, incluso os militares. Que diz o Ministério da Defesa sobre isto?

( c)- Originará uma redução das actividades da navegação marítima para o Barreiro, Montijo, Lavradio, Moita e Rosário, locais que não mais poderão ser desenvolvidos para movimentação de cargas marítimas por via de navios de médio e grande porte, em especial o Barreiro local de terminal de comboios que possibilitaria uma larga distribuição ferroviária de contentores.

(d)- Originará uma redução das actividades da navegação marítima nos cais de Xabregas, Beato e Stª Apolónia. Em especial neste aquando das operações com atracação de grandes navios às enchentes – que obrigará a um larga ida a norte com necessidade de segurança duma distância entre 700 e 1000 metros (comprimento do navio mais comprimento da amarra, e garra até unhar erro, em caso de necessidade de fundear. Nós se comandássemos um navio nessas condições não o faríamos e duvidamos que alguma comandante o fizesse sem abdicar da segurança.

(e)- Originará uma redução das actividades desportivas (moto-náutica, vela e embarcações tradicionais, etc. que tem no Mar da Palha o único espaço para tal.

(d)- E finalmente dará um golpe destruidor na maravilhosa paisagem que o maior espelho de água dá a uma capital europeia.

As belas vistas dadas por tão vasta superfície de águas calmas que os habitantes de Lisboa desfrutam do alto de St.ª Catarina, do alto do Carmo, de S. Pedro de Alcântara, do Castelo, de Stª Luzia, da Graça e de muitos outros, será um rude e irremediável corte na sua visibilidade ambiental, única na Europa.

Só rivalizável com Istambul (mas esta não é capital) e com algo de similar em Oslo e Estocolmo mas de beleza ambiental muito inferior.

Por todas estas questões que vos apresento, vos digo que a ponte CHELAS-BARREIRO será a morte do porto de Lisboa (face às grandes mudanças que o sector de transporte marítimo implícita e que obrigará a grandes desenvolvimentos portuários – lembro que ainda não há um verdadeiro terminal de contentores no porto mas somente cais adaptados a tal e com grave prejuízo doutras actividades) - e não só a morte do porto de Lisboa mas talvez o futuro do País como nação independente.

Faço votos por estar errado.

Eu vos envio muito saudar.

Joaquim Ferreira da Silva


Capitão da Marinha Mercante/Membro da Secção de Transporte da Sociedade de Geografia/Membro da Academia de Marinha/Presidente da Fundation TECNOUB-Tarragona.




Ainda há Bravos no Pelotão!
Viva PORTUGAL!